Página Principal

Mestre Samael

 Mestre Rabolu

Mantrans

Livros

Figuras

Menu
O que é gnose
Introdução aos 3 Fatores
O 1 Fator da Revolução
O 2 Fator da Revolução
O 3 Fator da Revolução
A tarefa ao estudante
Alerta aos jovens
O poder da Mãe Divina
Chave para o resgate
Mensagem a juventude
O sofrimento
Vantagem de estar desperto
O matrimonio e o amor
Educação Infantil
Conexão Interna
A disciplina
A mitomania
Poder do Chacra Cardíaco
Rebeldia Psicológica
Por que nos auto conhecer?
Judas Iscariotes
A família
Clarividência e Pseudo Clarividência
Os 3 caminhos que se abrem ao desencarnado
Mensagem as Damas Gnósticas
A obediência
O Pecado contra o Pai e o Espírito Santo
Alma e Espírito
Origem do Eu
O Iniciado
Igreja Gnóstica
Descenso ao Abismo
Simbolismo do Natal
Práticas
Auto Observação
Forças Cósmicas
Dança dos derviches
Defesa e proteção
Relaxamento e Concentração
Desdobramento astral
Desdobramento mental
Meditação
Sublimação para  solteiros
Intuição
Morte em marcha
Concentração para o dia
Mantrans e as objeções
Despertar nos sonhos
A não  Identificação Diária
Como recordar dos sonhos?
Simbolismo e prática da cruz
Desdobramento Astral - O Saltinho
Emoções superiores
Biografia
Mestre Samael
Mestre Rabolu 
Download
Livros Mestre Samael
Livros Mestre Rabolu
Mantrans
Figuras esotéricas
 Vídeos
Mestre Samael e Rabolu
Viagem Interior  
Mensagens para reflexão
Contato
E-mail

Obrigado pela visita!

Deixe sua mensagem!

 

O que é gnose
 
 
 

Te advirto, seja tu quem fores!

Oh! Tu que desejas sondar os arcanos da natureza,
que se não achas dentro de ti mesmo aquilo que buscas,
tão pouco poderás achar fora.

Se tu ignoras as excelências de tua própria casa,
como pretendes encontrar outras excelências?

Em ti está oculto o Tesouros dos tesouros.

Oh! Homem! Conhece a ti mesmo e conhecerás
o universo e os Deuses..."
 

Tales de Mileto

 

A palavra “Gnose” significa conhecimento superior. Trata-se de uma sabedoria que existe no universo e no interior de cada um de nós. Este conhecimento é tão antigo quanto a própria humanidade. As antigas civilizações Maias Astecas, e Incas, praticavam a Gnose. 

Quando a desenvolvemos, podemos entender o que acontece me nosso interior:  os nossos pensamento, emoções, o porquê das nossas ações, a origem dos nossos sentimentos e crises. Por conseqüência, compreendemos o verdadeiro sentido da vida e desfrutamos do maravilhoso dom que é viver. 

A gnose está embasada em quatro colunas: Ciência, Filosofia, Arte e Mística.  

Gnose como ciência é investigação, comprovação. Nos ensina os métodos científicos através dos quais podemos estudar os mistérios da vida e da morte e vivenciar por si mesmo as leis que regem a natureza e conhecer as outras dimensões.

 

 

  

Como filosofia a Gnose nos ensina o “Ser ou não Ser” da filosofia. O Ser é nosso “Pai”, o que possuímos de mais perfeito em nosso interior, é Deus em nós. O ser nos confere beleza íntima; tal beleza emanam a felicidade perfeita e o verdadeiro amor. O Ser possui múltiplos sentidos de perfeição e extraordinários poderes naturais. O “Não Ser” são os defeitos, vícios e erros que levamos em nossa psique. O “Não Ser” é o obstáculo que impede a manifestação do que há de mais digno dentro de nós: a essência.

   

Como Arte, podemos desvendar toda a grandiosidade dos ensinamentos deixados nas obras dos grandes artistas como: Michelângelo, Beethoven e Leonardo Da Vinci entre outros, bem como a arte régia da natureza expressa nos monumentos históricos como as pirâmides maias e egípcias, nos antigos obeliscos, nas esculturas gregas, entre outras. Para isso, necessitamos desvendar a sabedoria da Gnose em nosso Interior, e assim poderemos descobrir um conhecimento que está oculto em nós mesmos e experimentar as emoções superiores vindas da nossa própria consciência .

 

 

Como mística a gnose tem os elementos práticos, como a meditação, que nos proporcionará voltar a nos unir com as partes mais elevadas do nosso Ser, nos tornando uno com a divindade.

 

 

Veja o vídeo sobre Gnose:

 

 
 
     

“Este ensinamento para mim é tão grande porque ele ensina a  gente a viver” (Mestre Rabolú)